segunda-feira, 11 de março de 2013

Balanço

Hora de fazer o balanço da primeira semana..   Digamos que não chegou a ser uma tortura mas foi bem perto disso. Em alguns momentos cheguei a ter sintomas de abstinência.. kkkkk      Ansiedade, leve irritação. Não resisiti e lá fui atras de um bombom. Mas foi UM bombom. No dia seguinte ao fato comi um brigadeiro. Lembrancinha pelo dia da mulher.  

Tirando os dois fatos acima mencionados, no resto - foi tudo sob controle. Comi muita salada. Comi mais carne branca (frango) que carne vermelha. Carboidratos mais no periodo da manhã (1 fatia de pão integral todos os dias de manhã com requeijão light ou queijo branco). 
E teve mais uma coisinha que fugiu a regra. Domingo, eu e meu marido, fomos almoçar em uma churrascaria. Pode parecer impactante em um primeiro momento mas não acho. Comi salada. Algumas (poucas) carnes. Não consegui comer tanto. Não posso nem mesmo dizer que houve exagero. Não houve. Não acho que vá fazer diferença dentro do contexto. 
E falando sobre o que faz ou não diferença...  qual o limite para resistir as "tentações"? Naquele dia comi um bombom...   
Pego-me pensando será que vale a pena TANTO sacrificio?   Tenho dúvidas as vezes. Não em relação a qualidade de vida. Isso, certametne, só tem a ganhar. Mas digo em relação às pequenas coisas diárias... Como, por exemplo, vontade de comer um bombom.
Talvez o caminho por mim adotado seja extremamente radical. Talvez eu não precise abandonar  que gosto. Apenas controlar...   
Hoje estava com vontade de comer panquecas. Assim fiz. Uma panqueca não faz mal a ninguém. Depois de uma semana a base de folhas e carne branca, quero algo com mais "sustança"...
Mas não foi só a panqueca. Sobremesa. Consciência pesada? Um pouco mas satisfeita... 

Não me pesei na balança. Nem irei faze-lo. Não quero pensar em números absolutos por enquanto. Quero me sentir leve...  O estômago agradece.



sábado, 9 de março de 2013

Parando para pensar...

Fazendo pausa nas discussões sobre minha luta com a balança, tem um outro assunto que está me incomodando bastante. Essa história da Comissão de Direitos Humanos da Câmara...  Primeiro é preciso entender o que são os direitos humanos. Resumindo bem resumidamente , os "direitos humanos" consistem na garantia da constituição federal onde todos somos iguais. Onde todos devemos ser tratados como iguais. Os direitos humanos não são exclusividade dos "bandidos" ou das chamadas minorias. São de todos. Porém  quando pensamos em minoria que não são exatamente tratados como iguais, alguém tem que se juntar a eles para também se fazer ouvir afinal, a maioria é sempre maioria... E então entram os direitos humanos.  Os negros - que ainda que sejam grande em números em nosso país, são pequenos em oportunidades, a comunidade LGBTS que , acima de tudo, buscam ser tratados com respeito - como iguais... entre outros. Enfim, grupos querendo os mesmos direitos - ou melhor , querendo que a constituição se cumpra. Devemos então lembrar ainda que o Estado brasileiro, é um Estado Laico - ou pelo menos, deveria ser. Ou seja, governo/governança separado do Estado, do poder político. No entanto, não é isso que está acontecendo. Essa semana tivemos eleito para presidir a Comissão de Direitos Humanos uma pessoa ligada a uma determinada religião (não vou dizer qual é pois essa coisa de religiosidade é um tanto complicada. Mas quem está acompanhando sabe do que estou falando). Essa pessoa que se diz representante de Deus e foi eleita pelo povo é um preconceituoso, homofóbico, machista, racista e etc. Várias declarações ele deu com essas características. E não é só isso. Essa mesma pessoa ainda está sendo julgado por estelionato. E se diz representante de Deus...

Tá, tudo bem. Eu disse que não ia falar de religião. Mas... que Deus é esse? Que distingue as pessoas? Que chega mesmo a ser cruel? Que Deus é esse que rouba baseado na fé?

O meu Deus é bondoso, é justo, é caridoso. O meu Deus me ensinou a amar a todos. Ame ao próximo como a si  mesmo...

E como pode um homem que fala em nome de um Deus cruel, ser eleito - dentro de um Estado laico - para defender as minorias que ele mesmo chama de amaldiçoadas?

Daqui um tempo voltaremos a ter fogueiras em praças públicas...



quinta-feira, 7 de março de 2013

Um dia de cada vez...

A luta continua. Nem um processo de mudança é simples. Principalmente quando se trata de mudança de hábitos. E no momento falo da mudança de hábito alimentar. Para mim, como já disse antes, é muito difícil. Não deveria ser. Lembro-me quando meu filho nasceu eu passei todo o periodo de amamentação sem beber refrigerantes e comer açucar. Consegui. Foram 09 meses de abstinência. Antes ainda, quando estava na faculdade, fiz acompanhamento com a mesma nutricionista de agora (Dra. Manuela Macedo - fica a dica) e também consegui sem maiores problemas. Mas agora tudo parece muito mais dificil. Penalizo a mim mesma por não conseguir manter a mesma determinação de outrora. Por várias vezes consegui reduzir meu peso. E também consegui aumenta-lo. Efeito sanfona em escala gigantesca. Eu não sei como deixei e continuo deixando isso acontecer comigo. Não sei como deixo meu corpo se transformar de maneira tão negativa em tão pouco tempo. Hoje ainda é o terceiro dia. Ansiedade tomou conta. Pensei seriamente em escolher um dia da semana para ser o "freeday"...  Mas conheço-me suficientemente bem para saber que isso não funciona. Algumas coisas são como vício. Não consigo comer só um pouco. Só um pedaço de bolo. Ou só um bombom. Prefiro não arriscar. 
Uma coisa que inclui na minha rotina é a musculação 02 vezes por semana. Já fazia pilates e jump. Continuo fazendo. Agora pensem comigo...  Como é que pude engordar tanto fazendo atividades fisicas como jump? Só se for comendo muiittooooooooooooooooo .........................
E assim, eu cansei de fazer de conta que está tudo bem. Não. Não está. Meu corpo não está bem. Pode ser só estética? Sim. Pode. Fiz um check-up geral e tudo está praticamente dentro da normalidade. Menos o colesterol que está no limite. Se não cuidar certamente em um futuro próximo será um problema. 

Vou procurar umas fotos antigas e fazer um tratamento de choque. Eu sei o que quero para mim. E vou conseguir. Bem verdade que a questão estética é o trampolim inicial. Mas a saúde será a grande beneficiada...  E essa é a parte mais importante....




segunda-feira, 4 de março de 2013

Dia 1 - Sobrevivi

Pois então...

Hoje foi meu primeiro dia de mudança alimentar. confesso que foi dificil. E o dia ainda não acabou. Meu corpo gritou, reclamou por conta da mudança repentina. Dor de cabeça imensa. Mas sobrevivi. Resisti. O cardápio foi digno de uma alimentação balanceada. Pão integral. Frutas. Frango grelhado. Saladas. Legumes.  Água. Muita água.  Determinação é o que preciso. E hoje, coincidentemente, descobri um blog (http://taedai.com.br/) que, entre os muitos posts, tem a trajetória da autora chamada Ana. Foram mais de 30 kgs em um ano. Muita determinação. Uma inspiração para continuar. É possível. sim. É possível. E a luta continua...

domingo, 3 de março de 2013

Brigando com a balança




Quem nunca deixou para começar uma "dieta" na segunda-feira? Quem nunca se viu comendo um docinho de "despedida"?  Eu sempre fiz essas coisas...  "Amanhã eu começo"....   "Hoje vou me despedir de tanta comida"...  E assim por diante. E nessas despedidas a dieta sempre fica literalmente para amanhã. Eis um amanhã que nunca chega...
em março do ano passado (2012) eu estava no auge de minha magreza. Estava pesando 63 kg. Como era bom. Todas roupas serviam. Todas roupas caiam bem. Estava com um bom corpo (mesmo com a pança que nunca me abandona). Bem verdade que esse peso eu  não atingi de maneira saudável. Por conta de uma gastrite passei um tempo me alimentando mal. Qualquer coisa que eu comia não me fazia bem. Muitas azias, dores terríveis de estomago. Mas a balança estava a meu favor. Um ano se passou. E nesse um ano os ponteiros da balança andaram um pouquinho. Estamos em março de 2013. A balança chega aos 75 kg. Ou seja, 12 kgs em um ano. Um quilo por mês.O que explica isso? Várias coisas...  Minha loucura por doce. Uma ansiedade exagerada. O estomago que não dói mais e que aceita tudo. É como se comer fosse meu hobby favorito. Mas as consequências não são tão boas assim. Como o que quero. Fato. Mas agora as roupas não servem tão bem assim. A pança insiste em aparecer em qualquer roupa. Nem mesmo as camisetas disfarçam. Se em março do ano passado uma roupa M servia. Hoje, o tamanho G já não satisfaz e as peças GG voltaram a entrar no guarda roupa. Feliz com isso? Não. Nem um pouco. Fui em uma nutricionista. Estou com um cardápio de reeducação alimentar - afinal esse negócio de dieta não funciona mesmo. É preciso aprender a comer. Comer de maneira saudável. Para mim, não é fácil. Não mesmo. Mais do que uma briga com a balança. É uma briga comigo mesma. Tudo tem seu tempo. Talvez o meu tempo seja agora. De repente me olhei no espelho. Não gostei do que vi. Vou tentar um dia de cada vez. E desse canto, farei o espaço dos relatos diários de como vou seguindo. Não tenho pressa. Se engordei em um ano, posso levar um para emagrecer. Aprendi que perder peso rápido demais não tem vantagem alguma. A atividade física já faz parte da minha rotina. Falta agora comer de maneira adequada. Espero conseguir. Essa será mais uma das minhas lutas diárias. Para mim, não será fácil. Não mesmo. Mais do que uma briga com a balança. É uma briga comigo mesma.

O retorno

Desde minha última postagem alguns meses se passaram. Não que eu não tivesse vontade de escrever. Até o tinha. Mas faltou-me ânimo. Talvez tenha sobrado medo. Mais ou menos como na música da minha banda favorita "Legião Urbana" que diz...  "Quero ter alguém com quem conversar , alguém que depois não use o que eu disse contra mim"...    Nesse tempo que estive ausente do meu "canto do encontro" estava envolta em um processo de que tudo poderia ser usado contra mim. Fiquei então quieta no meu canto. E agora, cá estou eu...  Muitas coisas aconteceram nesse tempo. Muitas mesmo. Tanto no âmbito pessoal quanto no profissional. Mas a que irei narrar aqui (em tom de desabafo) tem haver com um post de uns três anos atrás - sobre "encerrar ciclos" (http://www.emminhabusca.blogspot.com.br/2010/02/ciclos.html) . Neste post que menciono falo sobre encerrar ciclos por vontade própria ou vontade alheia. Dizia que era bem melhor encerrar por vontade própria... Pois bem. Um ciclo em minha vida profissional se encerrou. Mas não foi em vontade própria. Resquícios da política - ou politicagem (da mais suja). Tudo o que fiz profissionalmente nos últimos 04 anos foi usado, de certa forma, contra mim. "A minha filosofia de segurança pública não condiz com a filosofia da nova administração"...   ai ai ai....  Isso me disseram quando fui "gentilmente convidada" a mudar de local de trabalho. Pois é... encerrei um ciclo na Secretaria Municipal de Segurança. Devo dizer que sempre gostei muito do meu trabalho. Sempre acreditei na política da prevenção à violência, na promoção da cultura de paz, no policiamento comunitário. Mas agora essa filosofia não serve mais. Sinceramente, não sei o que serve. E minha forma de pensar, as coisas que disse, minha dedicação extrema ao processo de prevenção à violência foram usados contra mim.  Só desejo sucesso e sorte aos que continuam nessa seara. Quanto a mim, sigo em frente. Sempre. Consciência tranquila. Cabeça erguida.