sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

ADOÇÃO

        Hoje quero falar sobre adoção. Em letras, podemos dizer que "a palavra adoção tem origem do latim "adoptio", que em nossa língua significa "tomar alguém como filho". Ação de adotar, tomar para si com cuidados" .
         Esse não é um tema aleatório. É a história da formação de minha família. Por isso, incluo à definição acima, que adotar é amar. Amar incondicionalmente. 
          Meu marido e eu sempre tivemos o desejo de formar nossa família com filhos biológicos e por adoção. Não sabíamos exatamente como as coisas aconteceriam. Sabíamos do nosso desejo e isso nos bastava. Antes do completarmos 1 ano de casamento, engravidei do Augusto. Estava cursando o mestrado, meu marido estava desempregado, eu trabalhava como pesquisadora do Ipardes. E, no meio de tanta turbulência, saber que nosso tão desejado filho estava a caminho foi uma imensa alegria. 
          Quando Augusto estava com aproximadamente 7 meses de vida, nos dirigimos a Vara da Infância e Juventude de Curitiba para darmos sequencia a formação de nossa família: a adoção. Porém, nessa visita, recebemos um balde de água fria. O fato de poder gerar, de ter filhos, nos "desqualificou" para o processo. Já na reunião informativa, a assistente social nos avisou que "juiz nenhum daria uma criança para quem pode ter filhos". Naquele instante, meu marido e eu resolvemos deixar de lado esse nosso desejo. 
         Era o ano de 2008. O tempo passou. Em 2014, resolvemos voltar a lutar. Nesse tempo amadurecemos enquanto pessoas, enquanto casal. Augusto cresceu. Novamente fomos a Vara da Infância e Juventude. Dessa vez, o coração mais sereno e firme em nosso propósito. Dessa vez, a lei revista. Dessa vez, juízes buscando pais dispostos a amar, a acolher. Ter filhos, poder gerar , não eram mais motivos para nos "desqualificar". Tinhamos pulsando dentro do peito, o amor incondicional. Amor esse que nos levou à nossa filha. Nossa "borboletinha" - apelido carinhoso que dei a ela, enquanto ela não vinha. Entre dar entrada no processo e recebermos a tão esperada ligação para conhecermos nossa filha foram 09 meses. Que coincidência, não?  
        E assim foi...   Hoje, nossa família está completa. Formada através do sentimento mais puro e sublime: o amor. 
        E se quiserem ouvir um pouquinho sobre isso, deixo um vídeo com uma entrevista que demos sobre esse reencontro!










terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Faz um certo tempo em que estive por aqui. Por esse cantinho que sempre foi tão especial. Há dias venho pensando nesse espaço. No que ele significou para mim. Quando ele foi criado, servia com um cantinho de desabafo, de reflexão, de encontro do meu ser. Foram momentos difíceis. Outros de alegrias e conquistas. Momentos de descobertas. Momentos onde pude me achar, me descobrir e me colocar no mundo. Quando dei significado a tudo que era e tudo que sou. E, quando consegui, de alguma forma, encontrar-me , esse espaço deixou de fazer sentido. E, então, o deixei de lado.
Alguns anos se passaram. E voltei a pensar nele. Não como o lugar de encontro mas como o local onde praticava um hobby: o de escrever. Sempre gostei. Desde as primeiras palavras da alfabetização. Durante muito tempo achei, inclusive, que seria jornalista. Tornei-me Socióloga. Essa vontade de escrever voltou a me acompanhar. Foi então que comecei a amadurecer a idéia de retomar o blog.
Porém, o contexto é outro. Pensei em fazer outro blog. Construir outro local. Buscar outro "layout". E pensei: porque fazer isso? Goste ou não, queira ou não, aqui está registrada minha história, minhas dores, minhas alegrias. Aqui está registrada parte dos pequenos passos que dei para me tornar o que sou hoje.
E hoje, a vontade que tenho é de escrever sobre tudo o que me tocar. Vida, família, televisão, futebol, maquiagem, utilidades, futilidades. Escrever sobre o que me der vontade.

Por isso, podem entrar, fiquem a vontade... As letras estão soltas no ar...