segunda-feira, 21 de março de 2016

Legionária

As pessoas que me conhecem "há tempos" sabem o quanto eu gosto de Legião Urbana. Conheci a banda por volta dos meus 14 anos (e pouco antes da morte de Renato). Não me lembro muito bem como tive meu primeiro contato com a banda. Se minha memória não me trair, acredito que foi através do meu grande amigo Marcelo. Tenho dúvidas também sobre qual foi o primeiro disco que comprei. Não lembro se foi o disco "Legião Urbana" (o primeiro da banda), ou se foi "O Descobrimento do Brasil". Seja como for, em pouco tempo eu tinha todos (entre discos de vinil e cd´s). A Legião Urbana cantava meus sonhos, minhas angustias, minhas duvidas, meus medos, minhas indignações. E, na minha juventude lamentava não ter tido a chance de ve-los pessoalmente. Quando os conheci, Renato já estava doente. A Legião Urbana não fazia mais shows. Tive a chance ainda de ver o lançamento de um cd com o Renato ainda vivo (album "A Tempestade" - um dos mais tristes mas também um dos quais mais gosto). Lamentava não poder  vivenciar minha admiração em shows. Mas a banda estava apenas nas lembranças. Nas músicas tão atuais. Então o primeiro CD faz XXX anos. Dado Villa- Lobos e Marcelo Bonfá - depois de uma enorme batalha judicial com Giuliano Manfredini (filho de Renato), ganham o direito de usar o nome da Legião Urbana. Nome que sempre a eles pertenceu, assim como a nós , legionários. A justiça foi feita.  Então o projeto XXX Anos, toma corpo. Vira realidade. Começa a turnê. Penso: chegou a hora. A hora é agora. Vou ver Legião. Eles virão a Curitiba. Porém ao ver o valor dos ingressos, percebi que não poderia participar. Lamentei profundamente. Mas em tempos difíceis, é necessário estabelecer prioridades. Senti um grande pesar. Infelizmente, o show não poderia estar nas despesas da casa. Me entristeci. Compreendi. Não era pra ser. Legião continuaria sendo uma memória de músicas ouvidas no disco de vinil, no cd. No dia 18/03/2016, foi o show. E num momento onde externei esse meu pesar, em uma rede social, alguém viu.  Alguém sentiu essa minha tristeza. Foi quando entraram duas pessoas nessa conversa, a quem devo agradecer eternamente. Digo que foram "anjos" . Fui agraciada com 2 ingressos para o show. Lágrimas de tristeza que havia derrubado durante a semana, naquele momento, foram de alegria. E de repente, lá estava eu. Na lista de convidados da banda. Área vip. Pista premium. Seria possível melhorar mais? Impossível, pensei. De repente estava na fila das poucas pessoas que puderam tirar foto com Dado e Bonfa. Ainda consegui sair com o livro do Dado autografado. Não há palavras que possam agradecer a estas pessoas que se sensibilizaram com meu pesar e ajudaram a realizar este meu sonho. Renato Russo não está entre nós. Mas André Frateschi (convidado para ser o vocal neste projeto incrível) teve um grande atuação no vocal. Show perfeito. 2 horas sem parar. Fernanda e Iuri, obrigada. Com certeza não foi tempo perdido.
Algumas pessoas me perguntaram: "Como assim? Como você conseguiu isso? Porque você?". Sinceramente, não tenho respostas. A vontade que eu estava de estar naquele show era realmente sincero. Estava dentro de mim. O universo conspirou a meu favor. Sorte? Merecimento? Acaso? Não sei. Mas, com certeza, um dos melhores momentos da minha vida. 

*Urbana Legio Omnia Vincit*



Nenhum comentário:

Postar um comentário